Postais do Alentejo

Ao fim do dia, levo-te pela mão nas planícies douradas, em busca das flores azuis. Do céu, nuvens distantes como os males estão, longínquos e incólumes deste nosso amor. A luz derrama-se em nós e por dentro, como uma aura da natureza que se colou à pele. A terra batida levanta pó nos pés; é poeira das estrelas e não da morte. Os insectos afadigam-se a esta hora, com a paixão da noite porvir. E nós nesta quietude intensa, preparados para a fome que aí vem, nossa e dos bichos. A luz é líquida, como a água no ventre materno, impossivelmente terna. A candura da tarde que cai, gentil, no dia e nos corpos. Não há linhas rectas; apenas curvas sensuais do caminho. Guardam-se as alfaias. Bebem-se sôfregos dos vasos. Não importa a noite, se esta hora dourada é eterna.

Ari, escrito a fogo no meu caderno invisível.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s