Manter os lobos à porta

Para ouvir com  A wolf at the door de Radiohead.

Tenho o lobo à espreita. À porta. Ali em baixo. Às voltas no chão, a viciar o ar. Está aqui dentro. A brincar com os meus pensamentos. A roubar-me as crianças. A roubar-me os sonhos.
Eis o lobo que me chama. À beira do pensamento, na vertigem do sono. Quero dormir e vejo-o, cinzento, os dentes a tremerem, de lascívia e de sangue. O lobo à espreita. O elefante branco no meio da estrada. O pato sentado à espera do caçador.

Os meus monstros.

O meu sangue, as minhas feridas, o meu sono.

Hoje vou deixá-los todos lá fora, do outro lado do pensamento, do lado escuro da lua. Vou só, navegando até à lua. Sem eles, sem a parte de mim que pesa. Só com a leveza de quem se vê despojado de tudo. E tudo lhe basta.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s