Tempo de ser lobo

Este é o tempo do lobo. Sem matilha, sem dono.
Vagueia pela floresta, densa, o lobo cinzento sem coração.
Alguém o viu, a este coração estilhaçado e dilacerado.
Batendo baixinho, por entre as folhas, como se tivesse vergonha por ainda existir.

Este é  o tempo das espetes geladas, onde caminha, hesitante, o lobo.
Não sabe se vive, se respira, tem medo de uivar e, ao saber-se vivo, querer morrer.

Que tempo é este, em que um lobo já não sabe que o é.
Passou… é a sua sombra, é o vento?

Anoitece. O lobo aquieta-se debaixo da neve. Procura o calor que sabe existir lá dentro.
As veias e as artérias engurgitam-se no velho hábito de se encheram de sangue.
Gorgolejam em nada, como a agonia do moribundo. Sem ar, sem sangue, sem vida.

Hoje será a noite, a neve e as estrelas a pulsarem  ao invés do coração,
Desaparecido, escondido ou esquecido.
O lobo espera o regresso do coração como se espera a primavera:

Ela chegará. Ninguém saberá quando.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s