Elogio da Transparência

Sou transparente, e não sei ser de outra maneira, falar de outra maneira, sentir de outra maneira, senão desta forma em que me exponho no palco solitário de mim, mas sem querer ouvir nenhum aplauso, nenhum aceno. Sou transparente como se respira ou se suspira, assim, naturalmente, sem se dar conta. Muitos me receitam o silêncio. Outros a reserva. Alguns por compaixão e muitos por pudor da dor do outro. Pois alguns se sustentam no parapeito da sua janela, e contemplam a minha transparência para dela retirar tudo, relatar todas as histórias, todos os acontecimentos. São como vampiros que se alimentam da verdade dos outros, sem jamais enfrentar a sua verdade. Sou transparente e é verdade que isso é natural em mim. E muitas vezes queria ser opaca e diferente. Mas a transparência é corajosa, é clarividente. Porque vejo a verdade em mim, a experimento sem pudor, de peito aberto, na emboscada, por vezes consigo chegar aonde outros não chegam, na sua escuridão, na sua elegância constrita, encerrada em si mesma. Este ser transparente é achar-se nu na rua mais percorrida do mundo, em plena luz do dia. É ser-se muitas vezes triste, ferido onde mais dói, quando não vemos de onde veio o golpe. A glória da transparência é ser-se livre, na mais fechada das prisões, o mundo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s