As vidas sonoras do coração

Quantas vidas sonoras tem o meu coração?
De tambor descompassado,
À mais doce flauta enfeitiçada,
A concha estéril ecoando o mar.

Numa outra vida sonora,
O meu coração calou-se num murmúrio.
Tão baixo, que não se sabia com voz
Tão lento, que desesperava o próximo fôlego.

E, durante muito tempo,
O silêncio,
O som da engrenagem,
A mecânica de existir.

Quantas vidas sonoras tem o meu coração?

Agora, nesta vida sonora,
De canto de pássaro ferido,
A ocarina doce e secreta,
Ao sussurro doce de quem recomeça.

Voltar a ser a música que vem dentro,
Um canto que nasce daquele sítio
Onde, afinal, voz alguma morre.
Apenas espera, num lento compasso,
A batida certa para soprar,
O canto certo para entoar.

Quantas vidas sonoras tem o meu coração?

Muitas, não consigo contar.
O segredo está em nunca parar de cantar.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s